Viajar com tudo pago!

Olá,

Quem não gosta de viajar?

E se você puder viajar, aproveitar, comer, passear, e não gastar nada? Ou melhor, ainda receber por isso?

Essa história começou em 2015. Numa dessas promoções de parcerias entre empresas de milhagem e empresas de cartões de crédito.

Eu tinha pontos no cartão acumulados de um tempo. Daí apareceu uma promoção em que eu podia dobrar a quantidade de milhas ao transferir os pontos do cartão. Fui lá e fiz.

Essas milhas tinham um prazo para espirar de dois anos. Deixei elas lá.

Nesse tempo, outros gastos no cartão de crédito foram gerando mais pontos, que foram migrados novamente numa outra promoção; dessa vez não dobrava os pontos, mas dava um bom bônus.

É preciso fazer escolhas

Por volta de novembro de 2016, comecei a falar com a patroa sobre a possibilidade de viajarmos utilizando os pontos do cartão. Mas precisávamos decidir entre fazer a viagem ou fazer a festa de aniversário do nosso filho. O que estava por trás disso? Precisamos fazer escolhas, pois o dinheiro é limitado. Tanto nós quanto nosso filho deveríamos analisar o que queríamos:

– fazer uma festa, o que é muito legal, desde que dentro das possibilidades; ou

– utilizar o dinheiro a ser gasto na festa para viajar.

Ter os dois? No nosso caso não dava. Era um ou outro. E isso mostra para o nosso filho que o dinheiro é limitado (viu este artigo sobre crianças e educação financeira?).

Conseguimos entrar num acordo sobre viajar ao invés de fazermos a festa. Ótimo!

Destino: Beto Carrero. O mês de aniversário do rapaz é maio, então seria uma viagem nesse período. Mais uma vantagem porque ainda poderíamos aproveitar os preços da baixa estação.

Comecei a pesquisar passagens e hotéis em dezembro (nada como ter tempo para planejar tudo). Conversei com alguns amigos que já tinham ido ao parque. Vi que o melhor era ir para Balneário Camboriú, ficar hospedado por lá e fechar um transporte para o parque. Fechamos um hotel a uma quadra da praia. Excelente.

Milhares de milhas

Comprei as passagens uns três meses antes. Após comprar, sobraram muitas milhas, que venceriam ainda em 2017. O que fazer com elas?

E aí que vem a parte mais interessante:

Comecei a sondar sites de compra e venda de milhas. Não sabia se aquilo era legal ou não, mas fui pesquisando e vi que não há lei impedindo que se faça esse tipo de transação. Fiquei ainda mais tranquilo quando vi essa reportagem da Endeavor sobre a MaxMilhas, uma das empresas que realiza essa intermediação entre compradores e vendedores de milhas. Se a empresa é endossada pela Endeavor, tá tranquilo.

Cotei as minhas milhas e vi que o que eu receberia pagaria o hotel, as taxas de aeroporto, custos de transporte, parque e outras coisas. Ou seja, os pontos convertidos do cartão, dobrados na primeira vez e depois aumentados consideravelmente, pagariam as passagens e ainda bancariam nossos custos nos dias em que ficássemos por lá.

Viajamos por cinco dias, com tudo pago!

Claro, essa viagem pode ser nada para alguns. Tem gente que já viajou o mundo todo apenas em 2017 😯

Mas para nós foi muito importante. Comemoramos o aniversário do nosso filho num lugar muito legal; conhecemos novas pessoas; passeamos num parque muito muito bom; comemos muito bem; tomei um chopp gelado de frente pra praia de Balneário; e toda a viagem não nos onerou um centavo no orçamento.

O que aprender com essa experiência

Se você usa cartão de crédito (muito cuidado com ele! Dá uma olhada neste artigo sobre compras por impulso), ficar atento às promoções de aumento de pontos com parceiros pode ser bem vantajoso.

Fique atento também ao prazo de expiração dos pontos. Se são seus e se é possível vendê-los, por que você vai perder?

Programe. Planeje. Com tempo para orçar preços, você economiza.

Entre em acordo com a família sobre as escolhas. Viagem? Festa? O que cabe no orçamento? Quem sabe uma comemoração pequena para a família + viagem? O que preferimos? Uma festa grande e obviamente cara ou uma viagem para um lugar diferente?

Alguns meses antes, comece a preparar seu filho(a) sobre o passeio. Um cofrinho no qual vão sendo depositadas algumas economias, de todos da casa, trocando alguma guloseima ou brinquedo pela economia para a viagem é um bom processo de educação financeira para os pequenos.

cofrinho da viagem

Cofrinho da viagem. As letras ‘v’ e ‘i’ caíram rs

Numa próxima viagem provavelmente não vai dar pra ficar na aba das milhas. Talvez dê para pagar as passagens… mas essa realmente valeu muito!

Um abraço!

Melhorar sua vida financeira só depende de você!

Deixe uma resposta