Comentários sobre o livro A Loja de Tudo – Jeff Bezos e a era da Amazon

Olá,

Conhece Jeff Bezos? Não?

E a lista dos 10 mais ricos do mundo? Sabe quais são? Não precisa dos 10 não, só os três primeiros (obtida na reportagem de 13/09/2016 da revista pequenas empresas grandes negócios):

1º – Amancio Ortega (Zara): US$ 79,1 bilhões
2º – Bill Gates (Microsoft): US$ 78,4 bilhões
3º – Jeff Bezos (Amazon): US$ 67,3 bilhões

Pois é leitor. E ele construiu tudo isso do zero. Sim, pode acreditar.

Li o livro A loja de tudo – Jeff Bezos e a era da Amazon, de Brad Stone, e recomendo fortemente a você que o Leia. É um livro grande, que explora muitos detalhes da vida do empreendedor de Seattle, mas vale cada página.

Eu vou resumir um pouco das minhas percepções sobre alguns aspectos do livro. Tem muito mais. Leia. Você vai se surpreender. Mas veja abaixo porque a Amazon.com é hoje uma das maiores empresas de tecnologia da atualidade.

Infância

O pai de Jeff saiu de casa quando ele ainda era bem pequeno. Mais tarde, sua mãe casou-se com um imigrante cubano que havia se instalado nos EUA. Ele chegou ao país apenas com a roupa do corpo, foi acolhido em um orfanato, estudou, formou-se, e foi trabalhar no mesmo lugar onde trabalhava a mãe de Jeff. Conheceram-se e casaram-se. O futuro empreendedor de Seattle cresceu sob a tutela de seu padrasto, mas eles sempre se deram muito bem.

Desde pequeno, seus pais já percebiam a grande inteligência de Jeff. Procuraram uma escola que possuía um programa especial de ensino, voltada a alunos bem acima da média. Jeff teve acesso a boas escolas desde pequeno, e sua mãe foi uma grande incentivadora do filho.

Jeff passava suas férias de verão com o avô, um explorador nato, que tentava resolver todos os problemas que lhe apareciam dentro de sua garagem, e assim estimulava o neto a ter a mesma atitude curiosa e inventiva.

Começo da carreira

Após formar-se em Princeton, em 1986, Jeff Bezos trabalhou em alguns projetos de tecnologia, indo depois para o mercado financeiro. Ele trabalhava na D. E. Shaw & Co., empresa que selecionava grandes talentos, cérebros privilegiados com currículos incomuns, que soubessem muito de matemática e TI. Ele cresceu rapidamente na empresa, e acabou criando uma relação bem próxima com o seu fundador.

A ideia

lampada-ideia

Por volta do ano de 1994, Jeff conheceu uma tal de internet, e imediatamente percebeu o infinito potencial de negócios que poderiam surgir com essa nova tecnologia. De acordo com algumas pesquisas da época, o número de bytes transmitidos pela internet havia aumentado 2.057 vezes entre janeiro de 1993 e 1994. Bezos decidiu que iria explorar essa oportunidade.  Pediu demissão da empresa na qual trabalhava e mergulhou de cabeça num mundo totalmente desconhecido.

Logicamente, essa não foi uma decisão fácil. Ele estava recém-casado, possuía um apartamento confortável e um emprego bem remunerado. Para tomar essa decisão, ele disse ter recorrido ao “método de minimização de arrependimentos”:

Quando você está tão envolvido, pode acabar se confundindo com os detalhes. Eu sabia que quando chegasse aos oitenta anos nunca pensaria, por exemplo, na razão de ter deixado para trás o bônus que eu teria em 1994 em Wall Street bem no meio do ano, o pior momento possível. Não é com esse tipo de coisa que nos preocupamos quando temos oitenta anos. Ao mesmo tempo, eu sabia que poderia me arrepender sinceramente de não ter participado dessa coisa chamada internet, que eu achava que seria um advento revolucionário. Quando analisei a situação por essa perspectiva… foi muito mais fácil tomar a decisão.

Jeff, desde aquele momento, já idealizava uma loja que pudesse vender qualquer tipo de produto pela internet, focada sempre na satisfação do cliente. Mas viu que essa seria uma tarefa totalmente impossível. Precisava encontrar um nicho para começar a atuar. Ele definiu que os livros seriam o seu produto de venda. O livro era um produto completo, que poderia ser perfeitamente vendido pela internet, e seu envio para o cliente seria relativamente fácil. Além disso, poderia realizar a venda mesmo sem ter o produto em estoque (pelo menos no início…).

Com a esposa (a qual conheceu na D.E Shaw & Co.), viajou pelo país procurando uma sede para seu empreendimento. Escolheram Seattle. Shel Kaphan, primeiro funcionário da empresa, uniu-se a eles, e ali deram início a uma das grandes histórias de start-ups de tecnologia que o mundo conhece.

O nome

nome-amazon

Os primeiros donos pensaram em alguns nomes, e chegaram a registrar alguns deles. Um fato curioso é que um dos nomes que foram inicialmente pensados foi “relentless.com”. Digite esse nome no seu navegador e veja para onde você será direcionado. 😯

Um dia, Jeff pegou o dicionário e foi na letra A, seguindo palavra por palavra, para ver se algum nome surgia. Ao chegar até a palavra amazon, teve, nas palavras do autor do livro, uma Epifania:

Amazon. O maior rio da Terra. A maior livraria da Terra.

Imediatamente ele comunicou ao seu time que esse seria no nome da empresa (sem nem pedir opinião). Ele sempre pensou a Amazon como a maior loja on-line do mundo, na qual você pudesse encontrar tudo de que precisasse, tendo sempre uma incrível experiência de compra e satisfação pelo produto adquirido.

O capital inicial

Jeff tinha uma ideia, um nome, mas precisava de dinheiro. Ele começou com algumas economias e com dinheiro investido pelos seus pais (eles estavam numa situação confortável e podiam colocar algum dinheiro na ideia do filho. Ao autor do livro disseram que, na verdade, não entenderam nada do que Jeff estava dizendo e mostrando a eles que iria criar, mas investiram no filho pois acreditavam nele). Foram os seus pais e mais algumas pessoas próximas os primeiros investidores da Amazon. Hoje, todos são multimilionários.

Assim, com um capital inicial vindo de seu próprio bolso e de seus pais iniciou, em uma garagem (sim, mais uma das “.com” que começou na garagem, para alguns anos mais tarde ganhar o mundo), a história de uma das gigantes empresas de tecnologia do mundo.

O rápido crescimento

Jeff navegou em águas praticamente vazias. Ele estava desbravando um mundo novo. Nada existia. Na verdade, existiam algumas empresas iniciais sim. Mas era tudo novo para todo mundo. Eles foram criando tudo literalmente do zero. Contratava sempre pessoas com grande capacidade técnica, com grande conhecimento em tecnologia da informação para que os enormes desafios e as ideias que brotavam a todo momento fossem sendo desenvolvidas.

Após alguns meses de desenvolvimento e testes, o site foi ao ar. Divulgaram para parentes e amigos. A primeira compra foi realizada por um amigo chamado John Wainwright.

Imagine você, em 1995, ano da liberação do site Amazon.com, entrar na internet e colocar seus dados pessoais, os dados de seu cartão de crédito… realmente foi uma atitude corajosa. Atualmente, um dos prédios da Amazon leva o seu nome.

Após algumas semanas, o site começou a receber mais e mais pedidos. Em pouco tempo, todos estavam abarrotados de trabalho, os pedidos não paravam de chegar e Jeff percebeu que sua aposta havia sido certeira. Eles estavam explorando um nicho de mercado totalmente novo, e eram os primeiros. Uma vantagem gigante. E ele saberia como ninguém como se valer disso nos anos seguintes.

O Visionário

Jeff Bezos é um visionário. Desde o começo de sua empresa, sua ideia era a de que ele iria criar uma loja de tudo. Um lugar onde um consumidor encontraria tudo de que precisasse (ou praticamente tudo), a um preço justo, e que teria o produto desejado no menor prazo possível.

A experiência do cliente é tudo para Bezos. Em alguns embates internos, em reuniões com seus diretores, às vezes Bezos mantinha algumas linhas de pensamento que eram, aparentemente, surreais. De acordo com o Brad Stone, um dos gerentes da Amazon disse a ele que “em várias situações, era Jeff contra o Mundo”. Mas, quase sempre, após um certo tempo suas ideias se mostravam extremamente eficazes.

Um exemplo disso foi a ideia, surgida na Amazon, dos MarketPlaces. Jeff determinou que o site da Amazon permitisse que outros vendedores colocassem seus produtos próximos a produtos da própria Amazon no site. A ideia por trás disso era que, se a Amazon perdeu uma disputa de um produto com um concorrente em seu site, eles iriam analisar aquela venda e entender porque isso aconteceu. E, de quebra, ganhariam uma porcentagem pelas vendas. Além disso, abririam uma frente para concorrer com o eBay, que era a referência para pequenos vendedores.

Hoje, o MarketPlace é uma tendência mundial, onde grandes plataformas permitem que pequenos vendedores comercializem seus produtos utilizando toda sua infraestrutura e penetração (minha opinião: não vejo essa estratégia com bons olhos para o pequeno empresário, pois o objetivo central do MarketPlace não era a receita gerada, mas aprender como os pequenos vendedores faziam para que próximas vendas não fossem perdidas.).

A Amazon aperfeiçoou o método, e depois várias categorias de novos segmentos onde ela fosse atuar começavam com os vendedores utilizando a infraestrutura da Amazon. Com isso ela estudava o mercado, aprendia como fazer, e ainda ganhava comissões sobre vendas.

Grande parte da receita da empresa viria, mais tarde, do MarketPlace. Uma das muitas ideias de Jeff.

Suas opiniões sobre algumas estratégias de mercado também são inovadoras e intrigantes. Por exemplo:

Amazon Web Services (AWS) – No lançamento do Amazon Web Services, ele defendia que o serviço precisava ser barato, mesmo que eles tivessem perdas no início. Ele dava o exemplo da Apple e o Ipod. Produto de extremo sucesso, com uma margem alta de lucro, ele acabou aguçando o apetite de outras empresas, pois elas viram que poderiam obter também uma alta margem de lucro com esse tipo de produto. Isso fez a concorrência disparar. Jeff dizia que, com margens baixas, o interesse por esse nicho de mercado seria menor. Isso daria tempo para que a empresa pudesse dominar todo o mercado antes da chegada dos concorrentes.

Outro exemplo:

Kindle – Vendo o estrondoso sucesso do Ipod, Jeff percebeu que seria questão de tempo até que uma empresa lançasse um produto que destruiria a indústria dos livros, com a digitalização dos produtos e a leitura não mais em papel. E a venda de livros era o carro-chefe da empresa. Jeff rapidamente recrutou alguns de seus melhores funcionários para desenvolver um produto que fosse perfeito para a leitura de livros digitais. Ele pegou um dos seus gerentes e falou algo mais ou menos assim: “Quero que você trabalhe pensando todos os dias em acabar com o seu antigo setor.”. Ele sabia que precisava sacrificar sua própria fonte de lucro para continuar tendo lucro. Empresas como a Kodak não o fizeram e desapareceram.

O verdadeiro motivo

Quando Jeff era garoto, aos cinco anos, ele viu o homem chegar à Lua. Isso o marcou profundamente. Ele exercia um fascínio pelo espaço e, em sua mente, era questão de tempo para que a humanidade galgasse passos maiores na conquista de outros planetas.

Numa entrevista com uma ex-namorada de Jeff, perguntaram a ela qual era o verdadeiro objetivo do dono da Amazon, o que o motivava a sempre querer mais. Ela respondeu: “Jeff precisa de todo esse dinheiro porque ele quer ir para o espaço”.

É. Isso é verdade. E ele está realmente colocando seus planos em prática. Há alguns anos, após o rápido crescimento da Amazon, Jeff começou uma nova empreitada. Ele criou uma empresa chamada Blue Origin. Sem alarde, começou a contratar grandes especialistas da área espacial para um projeto inovador de lançamento de astronautas. Atualmente, eles estão testando essas estratégias, novas tecnologias, e muito do seu dinheiro é investido nessa missão. O site da empresa é https://www.blueorigin.com/.

Frase final

Gradatin Ferociter – Passo a passo com ferocidade. É o lema da Blue Origin, mas que também serve para a Amazon.

O progresso constante em direção a objetivos aparentemente impossíveis vencerá no fim. Contratempos são temporários. Quem duvida deve ser ignorado.

Esse é Jeff Bezos. Um dos grandes empreendedores e visionários que convivem entre nós e dão uma guinada em nossa história. E com certeza vem muito mais por aí.

Você já leu o livro? Fique à vontade para comentar.

Um abraço!

Melhorar sua vida financeira só depende de você!

Deixe uma resposta