Retrospectiva dos Gastos 2016

Olá,

Como foi o seu 2016? Conseguiu manter/colocar o orçamento em ordem? Gastou mais ou menos do que ganhou? Não tem nem ideia?

É um bom exercício dar uma olhada no seu controle orçamentário ao fim de um ano. Compare como estava o seu perfil de gastos em Janeiro e em Dezembro e veja como suas despesas e receitas evoluíram.

Eu dei uma olhada na minha planilha de controle do orçamento. Tive algumas conquistas, mas também houve perdas. Essa é a nossa vida: Equilibrar os vários pratos que temos; fazer a renda aumentar sempre, de preferência a renda vinda do capital, e tentar ir administrando as despesas para que, quando possível, diminuam, e quando não, pelo menos não aumentem tanto.

Algumas conquistas

Empregado doméstico

empregada-domestica

Começamos o ano gastando cerca de R$ 1.200,00 com a pessoa que trabalhava conosco. Terminamos o ano gastando R$ 480,00 com esse mesmo serviço.

Diferenças: Estávamos assinando a carteira em Janeiro e não estamos mais. O serviço era diário, agora apenas uma vez por semana. As mudanças em casa envolveram um maior engajamento meu na ajuda com as coisas da casa (eu já ajudava, mas a coisa ficou bem mais séria, sobretudo com a empresa de minha esposa tomando muito tempo dela) e, claro, mais trabalho. No pain no gain! 😉

Gastos com TV, internet, telefone

homem-assistindo-tv

Em janeiro, estávamos gastando R$ 490,00 com serviços de TV, Internet e telefone (fixo e móvel). Em dezembro, estamos gastando R$ 270,00.

Diferenças: Havia um telefone fixo. Desligamos. A TV, que tinha vários canais de filmes e etc., agora está apenas com os canais abertos. Fomos diminuindo o pacote aos poucos, e a última mudança foi retirar tudo e ver o que ia dar. E o resultado foi: nenhuma falta dos antigos canais. A preocupação maior era com alguns canais infantis que meu filho assistia, mas o Youtube e o Netflix dão conta com folga 🙂 . Globo News e SportTV passam na antena do condomínio (a qualidade não é das melhores, mas tá valendo!).

Plano de Saúde:

Conseguimos reduzir nosso plano de saúde de forma considerável. Reduzimos em 25% o valor total que pagamos.

Diferenças: É preciso ter muito cuidado ao fazer esse tipo de mudança, para não ficar sem carência, sem cobertura em hospitais da sua região etc.. No nosso caso, a abertura da empresa da minha esposa nos permitiu migrar para um plano empresarial. Além disso, essa mudança nos permitiu sair dos famigerados planos de adesão, para os quais não há limites de reajuste por parte da ANS. Eu vi nosso plano anterior aumentar quase 20%, ano após ano, por três anos. Vi que isso seria insustentável e comecei a procurar alternativas. Foi um pouco trabalhoso fazer todas as comparações, mas hoje temos um plano apenas um nível abaixo do que tínhamos, mas que cobre todos os médicos da família e hospitais que já usávamos. E com limite de aumento regulado.

Mas também houve aumentos…

Aluguel

casa

Ano passado, negociei a manutenção do valor do aluguel com o proprietário, mesmo com o IGP-M batendo os 10%. Esse ano não tinha como. Houve reajuste. Mas, ano passado, eu já estava contando com uma inflação menor para 2016, vendo a nossa situação econômica e ouvindo o que os analistas diziam. Veio menor mesmo, mas nem tanto… cerca de 7%. Então, essa despesa aumentou. Vamos ver o que vem em 2017.

Escola

crianças-estudando

Começamos o ano com o nosso filho ficando seis horas na escola. Atualmente, ele está ficando sete. O aumento se deu por conta da necessidade de tempo para o negócio novo. Isso representou um aumento de cerca de 8% no valor pago mensalmente. Considerando o “modesto” reajuste anual praticado pelas escolas particulares, o rombo vai ser ainda maior no ano que vem…

Essas são, hoje, nossas duas maiores despesas. E baixar as duas é mais difícil. Não é apenas o financeiro. Amizades, rotina, conveniência e infraestrutura no condomínio, suporte educional, tudo pesa quando pensamos em mexer em alguma dessas despesas.

Balanço Final

Em resumo, considerando as reduções e aumentos, ao final tivemos uma redução de, aproximadamente, 10% nos nossos gastos mensais. Uma vitória!

A receita não mudou muito. Houve apenas uma correção de 5% na minha renda, e da parte de minha esposa, o retorno da empresa ainda é praticamente todo reinvestido.

E o seu 2016, como foi? Conseguiu economizar em alguma despesa? Criou uma nova fonte de renda? Ganhou um aumento? Cortou alguma coisa supérflua? Gerou mais dinheiro? Essa análise permite que tracemos objetivos para o ano seguinte, vendo onde podemos atuar para melhorar cada vez mais nossa vida financeira.

Não faz o controle do orçamento? Baixe a planilha de controle orçamentário disponível na seção de planilhas do blog. Assuma o controle do seu dinheiro!

Um abraço!

Melhorar sua vida financeira só depende de você!

8 Comentários

  1. Olá, parabéns pela matéria e pelo site!
    Esta é uma boa Reflexão a se fazer, uma forma simples de analisarmos o balanço anual de nossas finanças pessoais. É o que sempre tento fazer com que meus clientes entendam, mais importante do que saber ganhar é saber primeiro como você gasta aquilo que ganha e o que você faz com o que poupa, o intuito ao se sacrificar reduzindo custos fazendo economias, é saber o motivo a que se destinará este recurso poupado e conhecer as formas corretas de rentabilizá-lo e logo estará poupando muito mais e com mais facilidade e aumentando suas reservas para um caso de emergência ou um gasto fora do orçamento.
    Poupar e Investir é essencial para um boa saúde financeira. Este é o caminho!
    Grande abraço.
    Thalissa Fogato
    “Pense, administre e invista de uma forma diferente”

    • Olá Thalissa. Obrigado pelo comentário!

      Vamos ver como será 2017. Já estou me preparando para a negociação do aluguel 😀

      Um abraço!

  2. Rodrigo

    Oi Douglas, parabéns pelo post. Muito bom mesmo 🙂

    Talvez seria interessante você fazer um post contando sua experiência de viver de aluguel e investir a grana do seu imóvel. Muita gente tem dúvidas quanto a isso e saber os pontos positivos e negativos de quem já escolheu esse caminho.

    Um abraço.

    • Olá Rodrigo! Muito obrigado pelo comentário e pelo feedback!

      Boa dica. A boa e velha polêmica “aluguel x imóvel próprio” 😀

      Eu já vinha pensando num artigo sobre isso. Tem muita coisa pra falar, mas vou tentar fugir do lugar comum das comparações já batidas e focar nessa experiência prática. Obrigado pela dica!

      Um abraço e apareça sempre!

  3. Marcos Antônio

    Olá, Douglas! Obrigado pelo post.

    Eu tenho uma dúvida que poderia render um post: como calcular o rendimento anual? Encontrei inúmeros sites de simulação de rendimento em que você faz uma previsão do montante final inserindo os dados iniciais. Mas eu gostaria de uma fórmula retroativa. Eu tenho o valor inicial e já tenho o final do investimento, e meu interesse é saber qual foi o rendimento anual em % (e também se usamos o valor bruto ou líquido ao falar que “O investimento X rendeu X% a.a.”)

    Obrigado!

    • Olá Marcos Antônio! Obrigado pelo comentário!

      Realmente pode ser interessante um post sobre o tema. Às vezes, a teoria é apresentada de um jeito complexo ou, por vezes, já dentro de fórmulas, o que torna difícil o entendimento.
      Mas pra te ajudar já, posso te mostrar a maneira como você irá fazer:

      Vamos definir algumas coisas:

      Capital inicial: C
      Montante final: M
      taxa de rentabilidade: i

      Tendo o montante final e o capital inicial, a sua rentabilidade total pode ser obtida simplesmente fazendo:

      i = M/C – 1

      Se o seu montante final já está descontando impostos e taxas envolvidas, essa é a sua taxa líquida. Se não, então é a taxa bruta de rentabilidade.

      Se seu capital inicial é, por exemplo, de 10.000, e seu montante final é de 15.000, então:

      i = 15.000/10.000 – 1 = 50%

      Agora você quer saber qual é a taxa anual desse investimento. Como fazemos?

      Em juros compostos, sempre teremos: M = C * (1 + i)^n . As letras C, M e i já falamos. A letra n é o período de investimento.

      Tem mais coisas para explicar, mas vou resumir uma coisa e deixar para explicar melhor no post: a equivalência das taxas é dada por: i = (1+in)^(1/n) – 1

      sendo i a taxa que se deseja, in a taxa de valorização de todo o período e n o período.

      Se você passou seu capital de 10.000 para 15.000, já vimos que a taxa (in) é 50%. Agora vamos ver dois exemplos:

      Exemplo 1: Se isso foi conseguido em 12 meses, então o cálculo a ser feito para obter a taxa mensal é:

      i = (1+0,5)^(1/12)-1 = 3,44% ao mês.

      E a taxa anual? Basta fazer: i(ano) = (1 + i(mes))^12 – 1

      i(ano) = (1+0,0344)^12-1 = 50% ao ano.

      Veja que chegamos na mesma taxa de 50%, pois eu dei o exemplo de valorização do seu capital em 12 meses.

      Exemplo 2: Se, agora, você conseguiu essa valorização em 30 meses:

      i = (1+0,5)^(1/30)-1 = 1,36% ao mês

      i(ano) = (1+0,0136)^12-1 = 17,61% ao ano

      Deu pra entender? Vou ver se crio também uma planilha para facilitar.

      Um abraço!

      • Marcos Antônio

        Douglas, muito obrigado pela resposta! Utilizei as fórmulas e deu tudo certo. Era exatamente o que eu buscava. Grande abraço!

Deixe uma resposta