6 em cada 10 brasileiros não se preparam para a aposentadoria

Olá,

Quando o assunto é educação financeira, a quantidade de notícias ruins que aparece é preocupante.

Há alguns meses, tive acesso a uma pesquisa do SPC Brasil que mostra um dado muito perturbador: 60% dos brasileiros não se prepara corretamente para a aposentadoria.

Sim, você não leu errado:

6 em cada 10!!

Por quê? Será que não há uma preocupação com o futuro? O que leva os brasileiros a confiar apenas no INSS?

Os motivos

Os maiores motivos para esse comportamento são, de acordo com a pesquisa:

1 – Falta de recursos financeiros para esse fim (32,7%)

moedas-real

Essa é a primeira desculpa que logo colocamos como obstáculo para poupar alguma coisa.

Não ter dinheiro é questão de prioridade e escolha. Escolha viver com 80% do que você ganha e você sempre conseguirá economizar algum dinheiro. Isso vai depender de você.

Como nossa educação financeira é inexistente falha, muitos vivem sempre no aperto geral. O bombardeio das campanhas publicitárias, o hábito de gastar mais do que ganha, o costume de querer depender da benevolência do estado protetor, tudo isso vai criando uma legião de Brasileiros endividados. Assim, realmente nunca vai sobrar dinheiro algum. Pague-se primeiro e a mudança aos poucos começa a acontecer.

2 – Desconhecimento de como começar a poupar (19,6%)

Mais uma vez o retrato da ignorância financeira. Como as pessoas não tem acesso a informação sobre como gerir melhor seu dinheiro, como viver uma vida financeira equilibrada, onde investir o dinheiro poupado, aí, realmente, não há que se falar em poupar alguma coisa.

O (bom?) e velho INSS

Nos resultados da pesquisa, exclui-se o INSS. Cerca de 74% dos entrevistados estão contribuindo para a previdência social, seja por meio da empresa em que trabalha ou como autônomo.

A questão é: Você acredita que as pessoas que contribuem apenas para o INSS conseguirão sobreviver dignamente com a aposentadoria do governo?

Muitos acreditam que o que estão pagando agora será deles no futuro. Acontece que a nossa previdência é baseada no sistema de repartição (veja esse artigo sobre a reforma da previdência para mais detalhes), portanto, o que você paga hoje sustenta o aposentado de agora. No futuro, a nossa aposentadoria será bancada pelos futuros trabalhadores ativos, que, de acordo com as previsões demográficas, irão aumentar até um pico por volta de 2030 e depois diminuirão ano após ano.

Os investimentos dos outros 40%

Se você acha problemático que 6 em cada 10 Brasileiros não se preparam para a aposentadoria, veja os investimentos escolhidos por quem decide não ficar apenas com o INSS:

– 1º lugar: Poupança com 19,2%;

– 2º lugar: Previdência privada com 6,2%; e

– 3º lugar: Investimento em imóveis: 6,1%

Poupança ocupa o primeiro lugar na escolha dos que decidem economizar alguma coisa… 😕

Caro leitor, isso é alarmante. É preciso que as pessoas que conhecem um pouco sobre educação financeira levem essa mensagem para os que ainda não entenderam. Uma vida financeira próspera agora e adiante depende da atitude das pessoas com relação ao dinheiro que ganham hoje:

– Gaste mais do que ganha e terá sérios problemas agora e no futuro;

– Gaste tudo o que ganha e viva no fio da navalha. Seu sustento é todo dependente do seu trabalho, logo uma perda de emprego ou uma doença pode colocar sua vida em grande risco.

– Poupe parte do que ganha e PODERÁ ter algum alívio financeiro. Isso vai depender de como você irá INVESTIR o que POUPAR. Investindo com estratégia, você pode gerar rendimentos que garantam uma evolução do capital maior do que a inflação, fazendo com que você aumente o seu patrimônio ao longo do tempo.

Os poucos que estão no grupo que guarda alguma coisa estão, na verdade, perdendo dinheiro também. Mantendo suas economias na poupança, com a inflação que estamos presenciando nos últimos anos no Brasil, o rendimento dessa aplicação é NEGATIVO! Isso mesmo, você tem menos em valores reais, mesmo que, nominalmente, seu dinheiro tenha aumentado. Esse aumento não garante o poder de compra do seu capital. Você não conseguirá comprar as mesmas coisas que compraria no ano anterior.

Isso, em um ou dois anos, pode parecer pouco. Projete isso para um longo período e você verá o grande perigo que se corre ao deixar dinheiro parado em aplicações que rendem menos que a inflação.

Veja essa reportagem do site de economia do UOL . Em julho de 2015, o real completou 21 anos. Nesse período, a inflação fez com que 100 reais passassem a valer, hoje, R$19,90!

Sim, uma perda de 80,1% do poder de compra!

De 1/7/1994 a 1/7/2015, o IPCA variou 402,4%, corroendo 80,1% do valor do nosso dinheiro.

Se você tivesse aplicado esses 100 reais na poupança, obteria entre 01/07/1994 e 01/07/2015 um rendimento de 880,2%, maior do que a variação da inflação no período. Isso é devido principalmente, aos altos índices de juros pagos pela poupança entre 1994 e 1999. Já entre 2010 e 2015, o rendimento da poupança foi de 49% e a variação do IPCA foi de 47%. Seu dinheiro não teria rendido nada nesse período. (Caso queira fazer simulações, utilizei o site Cálculo Exato).

Em períodos de inflação baixa, é possível que o rendimento da poupança possa igualar ou até ganhar da inflação. Mas a todo momento é preciso que você avalie a situação da economia e veja se seu dinheiro está, pelo menos, protegido contra a baforada do dragão.

E o que dizer do segundo lugar? Previdência privada pode ser até pior do que a poupança em alguns casos. Altas taxas de administração, taxas de carregamento, falta de clareza das instituições financeiras sobre os produtos oferecidos, imposto etc. São raros os planos PGBL/VGBL onde pode-se dizer que valha a pena aplicar seu dinheiro.

Se o brasileiro não quer buscar alternativas melhores de investimento, isso é de livre escolha de cada um e só cabe a mim respeitar. Mas é possível obter rentabilidades significativamente maiores do que a poupança e a previdência privada atualmente no Brasil, e isso em aplicações de risco muito baixo. Tesouro Direto, LCIs e LCAs, alguns CDBs etc.

É preciso pensar no futuro

Estamos vivendo um ano turbulento. Dois presidentes, dois governos diferentes, reforma fiscal, reforma da previdência… é possível que, muito em breve, as regras da aposentadoria estejam bem diferentes. E o que será dos 60% que esperam viver apenas com o dinheiro da seguridade social?

E a maioria dos outros 40%? Se continuarem colocando seu dinheiro em poupança e em previdência privada, o que terão no futuro?

Vamos arregaçar as mangas e estudar alternativas melhores de investimento. Correr atrás de investimentos mais inteligentes e rentáveis. Ganhar da inflação é o mínimo. Obter alguns porcentuais acima da inflação é o que nos deixará mais perto de uma vida financeira tranquila no futuro.

E você? Está nos 60% ou nos 40%?

Um abraço!

Melhorar sua vida financeira só depende de você!

2 Comentários

  1. Daniel Mundim

    Boa Douglas! E é impressionante (e assustador) ver/conviver com pessoas com nenhum ou quase nenhum conhecimento sobre gestão das finanças. E são pessoas bem instruídas, bem formadas!!
    Vamos que vamos.. Belo artigo.

    • Obrigado Daniel.

      Infelizmente, muitos ainda precisarão trabalhar por muitos anos mesmo estando aposentados. E, após não poderem mais trabalhar, dependerão da ajuda de filhos e netos. Digo isso por mim. É assim com meus avós, provavelmente será assim com meus pais.

      É muito importante a consciência de que precisamos nos preparar. Até mesmo quem já está se preparando, com muitos anos de patrimônio sendo construído, pode passar por situações inesperadas. Neste artigo do Clube do Pai Rico, o Zé conta uma situação pessoal que viveu e que gerou altíssimas despesas em saúde. Como seria se ele não estivesse poupando e investindo?

Deixe uma resposta