Comentários sobre o livro A Educação dos Futuros Milionários

Olá,

Já ouviu falar do livro A Educação dos Futuros Milionários? Eu terminei a leitura recentemente, e gostaria de compartilhar com você minhas impressões.

Engraçado que eu adquiri o livro pensando que ele era focado em educação para crianças 🙂 . Eu já havia lido um livro sobre como iniciar os pequenos na vida financeira e estava buscando mais conteúdo sobre isso. Daí fui pelo título e pelas avaliações, mas a proposta do livro é totalmente diferente. De qualquer forma, valeu muito a pena.

O livro é extenso e tem bastante conteúdo relevante, sem enrolação. Tem mais de duzentas páginas de conteúdo mesmo. É claro que uma coisa ou outra se repete, mas tem muita coisa interessante. É quase um passo a passo do que o autor pesquisou e constatou na própria vida para alcançar sucesso, realização.

A proposta

Desde o início, o autor, Michael Ellsberg, já demonstra que o objetivo dele é mostrar, com uma ampla gama de exemplos, que a educação formal não o levará à prosperidade financeira. Pelo contrário. Na visão do autor, o ensino formal, aquele que orienta o aluno a conquistar boas notas e aprender coisas desnecessárias, que faz você se endividar sobremaneira para conseguir pagar a faculdade e se formar em algo para depois ficar à procura de alguma vaga de emprego, não poderá te tornar rico. Ele acredita fortemente no autodidatismo para o crescimento pessoal e profissional. E, mais do que isso, mostra ao longo do livro quais os caminhos que vão te levar a alcançar sucesso em sua jornada.

Outra coisa que ele deixa claro é que, mesmo com vários exemplos ao longo do livro, isso não significa que as pessoas citadas corroboram com suas ideias. Elas apenas permitiram que suas histórias fossem compartilhadas, mas não necessariamente concordam que a única saída e focar em aprender por conta própria, no mundo real. Entretanto, ao longo do livro você vai vendo que foi o que aconteceu com a maioria dos seus entrevistados. Praticamente todos egressos da faculdade, que não se encaixavam no modelo de ensino formal, que viveram vidas difíceis no início, mas conseguiram encontrar seus caminhos e prosperaram.

Habilidades para o sucesso

mala_dinheiro

Michael construiu, após experimentar em sua própria trajetória de erros e acertos, o que ele denominou de sete habilidades para o sucesso. Vou citar as habilidades e comentar um pouco sobre cada uma delas, embora eu recomende que você leia o livro para entender melhor a mensagem que ele quer transmitir.

Habilidade para o sucesso #1 – Como dar sentido ao trabalho e fazê-lo funcionar (ou, como fazer a diferença no mundo sem falir)

Ele cita nesse capítulo do livro aquele dilema do “fazer o que você gosta ou ganhar dinheiro?”. Será que eu posso associar algo que eu goste de fazer com a possibilidade de gerar renda com essa minha habilidade? Arrisco tudo no meu desejo de fazer a diferença no mundo ou me mantenho na linha e sigo o script, sendo mais um na grande engrenagem do sistema?

O que podemos, quase sempre, é buscar alternativas. Se você não gosta do seu trabalho, pode começar a analisar sua vida, suas prioridades, e buscar uma atividade extra com a qual você se identifique. Existe um meio-termo. Não estamos condenados a morrer fazendo o que não gostamos. Comece aos poucos, dedicando algumas horas do seu dia à sua paixão. Na medida em que essa atividade feita no seu tempo livre começar a gerar renda de alguma forma, você consegue ir criando uma alternativa ao trabalho que você não gosta de realizar. Com o tempo, você poderá decidir entre um e outro, sem ter de morrer de fome para isso.

O autor cita, num dos tópicos dessa habilidade, que “Sem insucesso não há aprendizado”. Para quem está começando, provavelmente haverá muitos erros. Isso é bom, pois eles vão forjando o empreendedor. Tem sido assim com a história de empreendedorismo da minha esposa (e um pouco minha também, pois vivo todos os bastidores do surgimento da empresa dela), e os erros vão nos mostrando o que é bom e o que não é, o que funciona, o que deve ser descartado.

Dentre as várias histórias que ilustram o tópico, Michael cita a entrevista que fez com Dustin Moskovitz, criador do Facebook, em conjunto com Mark Zuckerberg e Cris Hughes. Dustin trabalhava como administrador de sistemas e estudava em Harvard, e o TheFacebook.com era, para ele e para os demais colegas, um projeto paralelo. Havia muitas incertezas, grandes concorrentes, e em um determinado momento decidiram que o projeto paralelo, que havia crescido bastante, precisava de uma atenção maior e resolveram se dedicar integralmente. O resto é história.

O que mostra que, às vezes, para irmos atrás dos sonhos podemos nos planejar e começar pequeno. Com o tempo, isso evolui e daí temos mais segurança em nossas escolhas. Não precisamos fazer a diferença no mundo falindo!

Habilidade para o sucesso #2 – Como encontrar grandes mentores e professores, conectar-se com pessoas poderosas e influentes, e desenvolver uma rede de contatos de primeira classe

Nessa parte do livro, o autor cita como ele fez para buscar grandes mentores. Um de seus entrevistados é Elliott Bisnow, que criou uma rede de contatos de grandes empreendedores da área tecnológica. Ele cita uma frase muito bacana:

Networking não é uma questão de troca de favores. Não é um toma lá, da cá. É uma questão de dar o máximo possível. E, se eu vir você fazendo sucesso, vou me sentir verdadeiramente feliz. E, se eu for seu amigo, você vai me puxar junto com você. Se todas as pessoas da sua rede de contatos perguntarem umas às outras ‘Como posso ajudar?’, você irá longe na vida. Se você for autêntico e quiser ajudar as pessoas – dar, dar, dar –, isso voltará para você.

É isso. Essa é a ideia. Seja autêntico na ajuda oferecida. Não espere nada em troca, apenas compartilhe o que sabe para que outras pessoas cresçam. Isso lhe trará uma rede de contatos poderosa.

Habilidade para o sucesso #3 – O que toda pessoa bem-sucedida precisa saber sobre marketing e como você aprende sozinho

Nesse tópico, Michael critica fortemente o marketing que vem sendo disseminado nos cursos e utilizado por grandes agências para tentar vender algum produto ou serviço. Ele chama essa estratégia de marketing de marcas ou de imagem. Na visão dele, e citando vários autores americanos, o marketing precisa ser mais direto, simples e objetivo.

Ele cita um trecho do livro de Dan Kennedy sobre marketing que compara duas agendas de propaganda. A agenda de propaganda e marketing de uma grande empresa é:

1 – Acalme a diretoria

2 – Acalme os acionistas

3 – Pareça apropriado para Wall Street

4 – Pareça apropriado para a mídia

5 – Desenvolva a identidade da marca

6 – Ganhe prêmios de propaganda

7 – Venda algo

E a agenda que Dan Kennedy sugere é:

1 – Venda algo. Agora.

Michael explica como ajudou sua namorada a sair de uma situação de praticamente falência de seu negócio a uma confortável lista de clientes, utilizando técnicas de marketing direto. E isso na crise de 2008 que assolou os EUA.

Para aprender sozinho, há dezenas de referências a nomes de peso do marketing:

Jonathan Fields – http://www.jonathanfields.com/

Seth Godin – http://sethgodin.typepad.com/

E muitos outros.

Habilidade para o sucesso #4 – O que toda pessoa bem-sucedida precisa saber sobre vendas e como você aprende sozinho

A quarta habilidade é relacionada a vendas. Ele inicia citando um capítulo de pai rico pai pobre que tem um conversa entre Kiyosaki e uma escritora (veja o artigo comentários sobre o livro Pai Rico Pai Pobre). A habilidade de vendas era o que faltava para a escritora prosperar e se tornar uma autora de best-sellers.

Grande parte da explicação sobre vendas dessa parte do livro está focada no livro Spin Selling, de Neil Rackham e Bob Kalomeer (veja esse artigo do blog Outboundmarketing sobre o livro).

Habilidade para o sucesso #5 – Como investir para o sucesso (a arte de se fazer sozinho)

Aqui o autor comenta sobre o que empreendedores de sucesso fizeram. E o segredo de muitos deles é que promoveram o autodidatismo e autoinvestimento. Na visão dele, promover sozinho a própria educação é

acertar definitivamente a vida financeira e, em seguida, realizar investimentos incrementais na sua capacidade de gerar receita, ao longo do tempo, como resultado do fluxo de caixa; assim, você aprende constantemente e nunca se endivida.

Habilidade para o sucesso #6 – Construir uma marca própria (ou, chega de currículos)

O conceito de marca explicado em uma frase:

Sua marca é o que as pessoas pensam quando escutam o seu nome

 

Se as pessoas pensam em “confiável, seguro, inteligente” quando escutam seu nome, então essa é sua marca.

Se as pessoas pensam em “aspirante a perdedor” quando escutam seu nome, então essa é sua marca

E se as pessoas não pensam em nada quando escutam seu nome, então você não tem uma marca.

Michael traz vários relatos de pessoas que sugerem que, muito mais importante do que ter um bom currículo, é ter uma boa marca, uma boa reputação que o precede. E ela pode ser criada através de um blog, de um canal de vídeos, de um perfil interessante em redes sociais… você é quem define.

Habilidade para o sucesso #7 – Mentalidade de empreendedor versus mentalidade de empregado: Torne-se autor da própria vida

Ainda se valendo de vários exemplos, Michael mostra, nessa parte do livro, uma comparação entre a mentalidade de empreendedor e a mentalidade de empregado. Em resumo, ele diz que

as pessoas de sucesso escolheram fazer tudo o que é necessário para criar a vida que desejam, incluindo o esforço e a iniciativa para entender o que significa ‘tudo o que é necessário’. O que elas não fizeram foi esperar que alguém lhes desse a resposta pronta, a oportunidade certa, que lhes deixasse as coisas seguras ou fáceis, que lhes desse algum ‘plano de ação garantido, infalível’, ou que lhes desse a permissão, a autorização ou as credenciais certas para começar, imaginando o que precisa ser feito e fazendo.

Minha opinião

Bom livro. São muitos exemplos e muitas referências para quem quiser se aprofundar no assunto.

Eu discordo que a educação formal não é importante. Não dá para dizer isso. Se eu estou agora me comunicando com você, foi porque houve sim grandes empreendedores, grandes inovadores, mas também porque houve grandes acadêmicos, grandes mestres e professores, que souberam ensinar e passar seu conhecimento para outras pessoas.

Por exemplo: os meus artigos ficam armazenados em um banco de dados. Sabia que os conceitos por trás de um banco de dados são baseados em teorias matemáticas de conjuntos? E se ninguém tivesse estudado ou ensinado tudo isso?

Esse é só um pequeno exemplo. Há muitos outros que corroboram a importância de uma educação de qualidade. Contudo, é inegável que muitas histórias de grandes empreendedores foram construídas a partir do nada, com muito autodidatismo e autoconhecimento.

O que nós precisamos fazer é parar de seguir o piloto automático. As escolas precisam ensinar mais sobre como empreender, como vender, como fazer uma boa propaganda do que você tem para oferecer de produto ou serviço, enfim, introduzir conceitos de empreendedorismo, marketing, vendas, para que isso seja algo natural para os estudantes, tal como é natural fazer uma faculdade e ir atrás de uma colocação no mercado.

Existem perfis diferentes. Nem todo mundo quer ser empresário, e nem todo mundo quer ser empregado. Mas que essa seja uma decisão consciente, e não por medo ou por total ignorância sobre o assunto.

Finalizo com a frase que ele cita no início do livro:

(Uma) baleeira foi minha Yale e minha Harvard.” – Ishmael, em Moby Dick (Leitura obrigatória em todas as faculdades dos Estados Unidos, de autoria de um egresso do ensino médio)

Um abraço

Melhorar sua vida financeira só depende de você!

Deixe uma resposta