Felicidade é o único objetivo lógico

(Tradução livre do artigo Happiness is the Only Logical Pursuit, do blog Mr. Money Mustache)

Se você deixar de lado suas preocupações para, apenas por um momento, pensar profundamente, é difícil evitar a conclusão de que nosso mundo é tão somente um grande zoo. Um grande zoo cheio de animais bobos, e nós somos apenas os que se levam mais a sério.

Cada partícula de vida existe apenas para fazer cópias de si mesmas, desde o simples processo em que organismos unicelulares se dividem a cada minuto, até a dança do acasalamento angustiada das complexas cartas que os líderes de amanhã estão elaborando em seus dormitórios de faculdade para enviar a suas namoradas e namorados, caso tenham coragem para isso.

Como humanos, estamos presos no topo dessa pirâmide. Nós nos tornamos tão complexos que o assunto reprodução é apenas um rodapé nas nossas vidas, e, por isso, voltamos nossa atenção a previsões da taxa de juros, revistas de celebridades, guerras, filantropia ou futebol. Nós criamos toda essa complexidade, um sibilante mar de ideias e atividades, e tudo isso devido a um desejo subjacente com o qual todos nós nascemos: O desejo de ser feliz.

Pessoas fazem coisas, seja fazendo um bebê, equipando o carro ou pesquisando vacinas, pois elas acreditam que isso as fará felizes. Se você está apenas seguindo um instinto, ou dando dinheiro para que alguém em outra parte do mundo viva mais, o seu comportamento vem de uma mesma origem: o desejo de sentir-se bem. Mas nossas “ações para sentir-se bem” variam largamente, pois nosso cérebro “sente prazer” pelas mais variadas razões.

Embora isso seja meio assustador para se pensar a respeito, é essencial começar pela biologia: uma constatação de que você não é mais do que uma complexa máquina feita de carne. Tubos, hormônios e sinais elétricos são o material subjacente que alimenta seus mais profundos desejos e emoções. Então, da mesma forma que o medo é apenas químico, felicidade é apenas uma dose de dopamina, oxitocina, serotonina e talvez um pouco de endorfina. Se você já consumiu algo como álcool ou cafeína, ou experimentou alguma inexplicável alteração de humor, então você já percebeu esses elementos em ação.

É muito bom saber tudo isso, pois ajuda você a não levar tão a sério seu (bom ou mau) humor. Até mesmo a mais profunda depressão é tão somente uma desfavorável combinação de químicas cerebrais. Contudo, é uma aposta perigosa tentar resolver todos os problemas da vida apenas com prescrições médicas, quando você pode obter uma felicidade mais consistente e poderosa saindo e curtindo a vida no mundo real.

Indo um pouco mais além nessa análise, é útil olhar para a pirâmide surpreendentemente perspicaz conhecida como Hierarquia das Necessidades de Maslow.

Piramide Maslow

Eu a conheci quando tinha 13 anos, nas aulas de história, e desde então ela volta à minha mente nos mais estranhos e usuais momentos. Enquanto ela se mostrava impressionante na minha adolescência, noto que sua relevância parece crescer ainda mais com o passar dos anos.

A pirâmide é útil porque ela é verdadeira. Os primeiros prazeres da vida são os fisiológicos, os que mantêm você vivo: comer, dormir, respirar etc. Se você não tem isso, nada mais importa. Mas, se você tem o suficiente, você rapidamente começa a olhar para o próximo nível da pirâmide: segurança, ou coisas que livram você de grandes preocupações.

Se você possui uma segurança básica (casa, emprego etc.) você está feliz o suficiente para ir em busca de relacionamentos: família, amizades, intimidade sexual. Em seguida, você se move para o nível da auto-estima, ganhando e valorizando o respeito dos outros. Se você é sortudo o bastante para ter tudo isso acontecendo, você começa a rondar a terra exótica da auto realização, sendo criativo e moral e trabalhando no seu desenvolvimento pessoal

Como o consumismo se insere na pirâmide

Curiosamente, a falha no nosso mundo rico é um fio explosivo que temos de colocar no nível 2: segurança, rachando a pirâmide e inserindo nela itens de consumo para satisfazer nossas necessidades. Nossa cultura consumidora encoraja-nos a olhar para cima e ganhar respeito, intimidade sexual e até auto realização com o novo Toyota HighLander ou Ford F-150, quando fazer isso na verdade destrói a sua segurança. Drenando seu dinheiro, luxúrias como carros nos fazem desesperadamente inseguros e dependentes de empregos constantemente. E, fazendo ficarmos sentados e inativos, eles drenam nossa força e riqueza, de modo que nossa vida torna-se cada vez mais precária.

Essa é a razão pela qual o “Mustachianismo” é, na maioria das vezes, sobre dinheiro e riqueza – é suposto que seja a ponte sobre as armadilhas estabelecidas pelo consumismo, para que você possa passar por cima e seguir em frente até as partes mais felizes da pirâmide: família, auto-estima e realização pessoal.

Se você consegue entender tudo isso, você começa, de fato, a entender o que é felicidade. Para extrair a maior felicidade em sua vida, seu trabalho é, inteligentemente, apertar os botões de recompensa em cada nível da pirâmide de Maslow:

– Você tem sua primeira recompensa mantendo uma alimentação adequada para manter um corpo são. Mas isso não significa empanturrar-se em jantares e sobremesas todos os dias em restaurantes caros;

– Sua próxima recompensa vem garantindo segurança para você e os que você ama. Mas não há felicidade adicional em adquirir múltiplas casas ou barcos espalhados por todo o mundo;

– Família e amigos são o núcleo da felicidade para a maioria de nós, mas há um limite no número de pessoas das quais você é realmente próximo. Este é o motivo pelo qual fama e status não nos ajudam com nossos relacionamentos mais próximos (embora possam ajudar como uma muleta para aumentar a autoestima no próximo nível).

– No último nível, as coisas ficam realmente excêntricas: pessoas gastam grande parte do seu tempo e dinheiro ajudando outras pessoas. Isso soa nobre, mas é apenas mais uma forma de acionar seus botões de recompensa: sentindo-se útil e essencial, você completa a sua vida. O efeito disso é tão poderoso que até mesmo pessoas lutando na base da pirâmide sentem a alegria da generosidade. E, na medida em que nos tornamos mais seguros, temos mais motivação em ser gentil com outros.

Em outras palavras, como todos os níveis da pirâmide incluem automaticamente sentir-se bem e estar feliz, faz sentido que a felicidade seja a melhor coisa para se buscar na vida.

Mas, como eu aperto os botões?

Eu descobri que, simplesmente entendendo a felicidade como eu apresentei acima, tem-se um gigantesco atalho para se ter uma vida feliz. De súbito, você pode pesar cada decisão que tenha de tomar baseando-se neste simples triângulo. Ou, caso queira, você pode confrontar suas decisões com a sabedoria dos grandes filósofos, que foram os estudiosos da felicidade desde a era que precedeu a ciência formal.

Para testar essa jóia comprimida de uma resposta para todo o propósito de vida, vamos verificar alguns cenários reais:

Estilo de vida extremo e fitness x Conveniência

Ao varrer folhas caídas num dia de outono, você fica suado e cansado. Como que por mágica, você recebe em sua caixa de correio uma propaganda de um soprador de folhas que está com 50% de desconto. Você fica tentado. Mas, essa aquisição fará você feliz?

Se você está mais em forma do que gostaria, e procura por formas para reduzir seus padrões musculares, então essa pode ser uma boa escolha. Por outro lado, se você está em dívida com sua saúde, você encontrará mais felicidade em atividades que aumentem seu condicionamento físico – varrendo, pedalando, renunciando elevadores e escadas rolantes etc.

Aliás, uma boa condição física não é um objetivo opcional, e sim uma incrível geradora dos hormônios de felicidade vistos acima. Uma simples caminhada diária é mais poderosa do que os maiores antidepressivos e limpadores de artéria.

Esse foi um exemplo óbvio, mas pode ser estendido a outro item muito mais emocional – o carro. Melhorar a confiabilidade do seu carro pode trazer uma maior sensação de segurança. Da mesma forma, obter um carro mais eficiente aumenta a sua segurança financeira, enquanto também provê benefícios de auto realização, pois você está comprometido com causas mais nobres (você está jogando menos poluentes no planeta, por exemplo). Entretanto, a maioria das aquisições de carros são levadas pelas razões opostas: colocando as emoções iniciais de lado, a aquisição de um SUV só irá trazer infelicidade no longo prazo.

Novidade, complexidade e Gadgets

E com relação às novidades, como um Apple Watch ou um Nissan Leaf? Nós podemos pensar nelas sob a justificativa do aprendizado ou “melhorando nossas vidas com diferentes Apps”, mas, mais uma vez, isso nos ajuda a analisar se não estamos fixando mais alguma coisa entre os níveis da pirâmide.

Aprender sobre um novo gadget coloca você no topo da tecnologia e pode acelerar coisas como checar seus batimentos cardíacos ou traduzir frases numa viagem internacional. Mas, você está realmente necessitando medir seus batimentos ou traduzir frases com o Google? Se não, é improvável que você perceba um aumento de felicidade.

Minha missão de adquirir um carro elétrico é uma boa opção a ser analisada. Adquirir um carro elétrico poderia eliminar meus gastos com combustível. Mas, o meu gasto com gasolina tem sido algo com que eu tenha que me preocupar? Não. Essa aquisição poderia também prover mais silêncio e uma melhor aceleração. Mas eu tenho problemas com barulhos ou com a aceleração do meu Scion XA? Novamente não. De fato, a única justificativa para essa aquisição seria a auto realização que isso iria proporcionar quando eu escrevesse sobre isso em meu blog e ouvisse relatos de outras pessoas que também fizeram o mesmo. Mas, a minha vida tem sido prejudicada por falta de auto realização? Essa é a única pergunta a ser respondida para embasar a decisão de adquirir ou não este carro.

Em uma frase: O aumento da felicidade vem principalmente da redução das coisas que prejudicam nossa vida.

Produtores têm mais diversão do que consumidores

Quem você prefere ser: um fã dedicado curtindo sua banda favorita por $100 o ingresso, ou o membro de uma banda incrível, sentindo o amor de milhares de pessoas enquanto você compartilha com eles músicas que você e seus amigos mais próximos criaram juntos?

Se você não é pra música, tente o mesmo truque com esportes, criando uma grande companhia, escrita, arte, carpintaria ou jardinagem. Criatividade reside no topo da pirâmide, o que significa que as recompensas são altas. Bônus: produzir ainda pode render dinheiro, enquanto consumir custa dinheiro.

Estoicismo: O surpreendente impulso de vida que vem do abraço voluntário às dificuldades

Na medida em que essas técnicas tornam-se mais avançadas, você irá descobrir que nós nos movemos do “mudar nossas ações diárias” para “treinar nossa mente”. Estoicismo é uma forma fácil de elevação mental que te exorta a valorizar o que você tem, e aconselha ao indivíduo que experimente situações desconfortáveis eventualmente, de modo que ele se dê conta de quão boa é sua vida. Você pode começar a praticar o estoicismo clicando nesse artigo e abrindo-o em uma nova aba para uma leitura posterior: What is Stoicism and how Can it Turn Your Life to Solid Gold?

Budismo: O avanço mental ninja que salta sobre toda a pirâmide de Maslow

Reservando o mais estranho mas mais poderoso gerador de felicidade por último, chegamos ao Budismo. Eu sou iniciante nesses estudos, mas suas ideias são valiosas mesmo se resumidas em um único parágrafo: felicidade vem da redução do sofrimento; E o sofrimento vem quando você se agarra a pensamentos e observações querendo que eles fossem diferentes, ao invés de apenas aceitá-los, fazendo com que seu interior permaneça íntegro.

Uma outra forma de colocar essa ideia é numa equação: Sofrimento = Expectativas – Realidade.

Por exemplo: O iniciante poderia dizer: “Eu estou com frio! Eu não quero ficar com frio! Isso é ruim.”, enquanto o budista pensaria, “Eu sinto uma sensação de frio em minha pele. Meu corpo registra isso como desconforto. Isso é tudo.”

Ambos iniciante e budista possuem pensamentos fluindo em suas cabeças o dia todo. Mas o iniciante registra os pensamentos negativos e mergulha neles, tentando lutar contra eles: “Eu tenho de ir ao tribunal semana que vem. Isso dá medo! Eu posso perder! Isso é muito ruim!”, ao passo que o budista pensaria:”Lá vem um pensamento sobre mangas. E outro sobre oportunidades. E outro sobre a reunião no tribunal semana que vem. Como ondas, cada um dos meus pensamentos vai e vem.”

Apesar da sabedoria óbvia dos grandes filósofos, eu continuo totalmente empenhado com o mundo, apreciando serralheria, cervejas artesanais e mercado de ações, juntamente com todos os outros. Mas, simplesmente parando antes de qualquer grande decisão e comparando-a com nosso real objetivo de felicidade, de satisfação de vida, nós podemos manter o navio numa direção melhor e, com isso, ter mais da vida.

(Tradução livre do artigo Happiness is the Only Logical Pursuit, do blog Mr. Money Mustache)

Melhorar sua vida financeira só depende de você!

Deixe uma resposta