Como organizar o orçamento doméstico

Olá,

Quanto você recebeu no mês passado? E quanto você gastou?

Que porcentagem dos seus gastos é despesa fixa? Quais são as suas “top five” despesas?

Se não sabe responder a essas perguntas, então provavelmente você não tem um orçamento doméstico.

Uma pesquisa feita pelo SPC Brasil aponta que 37% dos brasileiros não se consideram organizados financeiramente e 69% admitem possuir algum tipo de dificuldade para realizar o controle das receitas e despesas. Das dificuldades apontadas, a mais mencionada é a falta de disciplina (32%).

No orçamento doméstico, registramos todos os nossos recebimentos, gastos, investimentos… eu diria que sem saber isso não dá nem para começar.

A ideia básica é saber, mensalmente, a relação entre:

Receitas – Despesas

Ou seja, é o fluxo de caixa da sua família.

Saber quanto recebemos é relativamente fácil, sobretudo para os que tem carteira assinada. Saber o quanto gastamos, esse é o desafio. Eu digo saber TUDO! É chegar ao fim do mês tendo todos os seus gastos mapeados. É difícil, mas é o único jeito.

Com o orçamento em mãos, você pode definir metas como:

– baixar determinada despesa variável em 10% até o fim do ano;

– aumentar a receita vinda de trabalhos extras em 15% em 2015;

– dobrar a quantidade de dinheiro direcionado para investimentos até 2017;

Registre todos os gastos!


pessoa escrevendo

Eu procuro anotar tudo. Todos os gastos. Mas quase sempre algo se perde.

Uma das coisas que mais me impressiona no orçamento da minha casa é o item que eu chamo de “perdido”. Significa que houve dinheiro gasto em espécie que não foi contabilizado, ou por mim ou por minha esposa.

Tenho amigos que definem um determinado valor, por exemplo, 400 reais, para “outros gastos” ou “gastos diversos”. Daí, no fim do mês, fica mais fácil fechar a conta. Eu prefiro chamar de perdido para tentar sempre minimizar isso, controlando melhor para onde o dinheiro está indo.

Como registrar os gastos com os cartões?

Eu divido item a item as despesas que vem discriminadas, seja no cartão de débito ou no de crédito. A compra de um sapato, por exemplo, vai para o item “roupas e calçados”, em despesas variáveis. Almoço em restaurantes, gasolina, tudo vai indo para seu devido lugar.

Sim, dá trabalho, mas é necessário. Hoje há aplicativos que fazem esse controle. Mas eu prefiro o bom e velho excel mesmo.

Orçamento doméstico: Como fazer?

calculadora

Existem muitos modelos de planilha de orçamento doméstico disponíveis pela web. Eu uso um modelo que baixei do site do Gustavo Cerbasi e que fui customizando para ficar de acordo com meus interesses. Foram vários anos de alterações para deixar ela bem interessante.

Você pode baixar a planilha do Cerbasi ou a minha planilha master plus (.xlsx 40KB) 🙂 . Ela já vem com valores fictícios de janeiro e fevereiro preenchidos para que você tenha uma ideia de onde e como preencher os dados. Mas é tudo muito fácil.

Uma diferença fundamental na planilha que eu uso e que eu não achava em outras é que o valor disponibilizado para investimentos vem logo no começo. Daí, da receita líquida recebida mensalmente, você já desconta os seus investimentos. Isso é uma diferença tremenda na maneira de lidar com o seu dinheiro. Você está pagando-se primeiro. Eu escrevi esse artigo explicando com mais detalhes o que significa isso.

Se não separar nada para você, essa parte da planilha vai ficar com tudo preenchido com zero. Vai servir para te mostrar que é preciso urgentemente separar uma parte para pagar a você mesmo, o quanto antes.

Certo, legal. Mas eu não consigo usar o excel…

OK, você pode recorrer a alguns sites ou aplicativos que fazem esse controle para você. Alguns exemplos:

– Guia bolso

Eu não uso, mas tenho visto algumas pessoas usarem e a percepção tem sido boa. Há uma questão que deve ser analisada: Você precisa informar dados pessoais para acesso à sua conta corrente. Eu, particularmente, não me sinto confortável, mas o site garante que seus dados estão em segurança.

– Organizze

O sistema parece ser interessante. Você pode fazer seu controle pela internet ou baixar o aplicativo. Mas adianto que, para fazer um uso mais adequado, será preciso pagar. A versão gratuita te dá poucas possibilidades. Se você quiser importar dados da sua conta corrente, terá de pagar. Cadastrar um cartão, idem. Quer criar uma meta? Só na versão completa…

Parece ser legal, mas eu não gosto de divulgar meus dados financeiros…

Bom, então sobrou para você o bom e velho caderninho 🙁 . Tem gente que consegue se virar bem inserindo os dados mês a mês no papel, mas você pode ter muito trabalho e, o que é o pior, desistir de acompanhar.

Bom, a mensagem que quero deixar para você é:

Faça seu controle orçamentário!

Se você ainda não tem uma forma de controle e se interessou pela planilha, use sem moderação! Pode compartilhar com amigos, familiares, fique à vontade. No começo pode ser um pouco chato, mas depois você se acostuma e faz isso rapidamente.

Verifique quais são seus maiores gastos. Comece a entender melhor onde estão os ralos por onde o dinheiro está fluindo. Assim, é possível gerenciar melhor suas dívidas, seus ganhos, os valores destinados a investimentos etc.

Você já controla seus gastos? Consegue saber para onde está indo seu dinheiro? Utilize o espaço de comentários e compartilhe conosco suas experiências!

Um abraço!

Melhorar sua vida financeira só depende de você!

Deixe uma resposta